Alerta de municípios sugere que piso do magistério seja diminuído com urgência! Leia e compartilhe...

12/01/2019
Criação do gráfico: Dever de Classe
Criação do gráfico: Dever de Classe

Educadores também devem se mobilizar, para garantir que piso nacional não seja rebaixado

Educação | Em alerta no site da Confederação Nacional de Municípios (CNM), gestores municipais sugerem que reajuste do piso do magistério seja diminuído com urgência. Na quarta (9), o MEC anunciou a correção anual, que ficou em 4,17%, conforme o Dever de Classe já havia noticiado. CNM quer um percentual menor de 3,56%, baseado no INPC.

Leia o que diz a entidade, após o anúncio.

"Alerta

A Confederação alertou para o fato de que, mais uma vez, o piso do magistério é reajustado com índice maior do que a inflação do ano anterior, pois, em novembro de 2018, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado nos últimos doze meses foi de 3,56%.

A CNM reafirma a urgência da aprovação do Projeto de Lei (PL) 3.776/2008, para adotar o INPC como critério de reajuste [menor] anual do valor do piso nacional do magistério público da educação básica."


Mobilização

Educadores precisam se mobilizar também com urgência ou nem o baixo reajuste de 4,17% autorizado pelo MEC será pago. Como se percebe, gestores já estão bastante articulados para boicotá-lo e diminuí-lo. 

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também:

Incluído valor da Educação, última parcela de novembro do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) chega a quase R$ 3 bi. Com tais somas, mês fecha com R$ 12,7 bilhões, 29,18% maior do que o total repassado no mesmo mês de 2020 — R$ 9,8 bilhões. Festa geral, algo que ajuda a viabilizar, por exemplo, o reajuste dos professores em janeiro de 2022....