Professores ganham direito a abono sobre 45 dias de férias

23/11/2022

Diferenças dos últimos 5 (cinco) anos devem ser pagas com juros e correção monetária, determina o juiz em sua sentença. Valor chega a quase R$ 10 mil. Estado não pode mais recorrer. Professores de todo o País podem fazer a mesma reclamação.


Educação | Vinte e dois professores da Rede Estadual de Educação do Piauí ganharam na Justiça direito a receber abono sobre 45 de férias. Processo transitou em julgado e governo não pode mais recorrer. Diferenças dos últimos 5 (cinco) anos devem ser pagas com juros e correção monetária, determina o juiz Aderson Brito Nogueira, da 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública da Comarca de Teresina.

 Confira a decisão do juiz


"Ante o exposto, julgo procedentes os pedidos dos autores, o que faço com arrimo no artigo 487, I, do CPC.

Determino ao Estado do Piauí que passe a efetuar o pagamento do terço constitucional sobre a totalidade dos 45 (quarenta e cinco) dias de férias dos requerentes.

Condeno ainda o Estado do Piauí no pagamento da diferença do adicional de férias, referente aos últimos 05 anos do ajuizamento da ação e aos períodos que se vencerem no curso desta ação, com juros e correção monetária."


Professores podem reclamar

O advogado que atuou na questão é o Dr. Henry Wall Gomes Freitas, OAB-MA 10.502-A. Muitos docentes de todo o País podem ter o mesmo direito, conforme veremos mais abaixo, após o anúncio.

O pagamento do terço constitucional das férias dos professores deve ser pago sobre a totalidade dos dias de descanso a cada ano. No caso em tela, um dos docentes que requereu cumprimento desse direito receberá R$ 9.936,17 de diferenças não pagas. Educadores de todo o País podem fazer a mesma reclamação. Veja mais abaixo. Imagem: Webnode.
O pagamento do terço constitucional das férias dos professores deve ser pago sobre a totalidade dos dias de descanso a cada ano. No caso em tela, um dos docentes que requereu cumprimento desse direito receberá R$ 9.936,17 de diferenças não pagas. Educadores de todo o País podem fazer a mesma reclamação. Veja mais abaixo. Imagem: Webnode.

Relacionadas:

Entenda melhor a questão

De acordo com a Constituição Federal, todo trabalhador tem direito a receber 1/3 de abono sobre seu salário toda vez que tirar suas férias anuais. No caso dos professores, essas férias em muitas localidades são de mais de 30 dias. Por isso, o abono tem de incidir também sobre o tempo que exceder um mês. Veja tabela abaixo: 

Continua, após o anúncio.

Gestores descumprem

Onde as férias do magistério são de mais de 30 dias, muitos gestores descumprem a lei e pagam o abono somente em cima de um mês. O tempo restante consideram como recesso, o que pode contrariar planos de carreira da categoria.

O que fazer

Professores devem verificar o que diz a legislação do seu Estado ou município sobre a questão. Se o texto reza que as férias são superiores a um mês, o abono deve contemplar também o tempo excedente.

Para melhores esclarecimentos sobre essas questões, procure com urgência o sindicato de sua categoria!

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Ajude com uma pequena doação de qualquer valor. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.