Reforma | Governo quer reincluir estados e municípios e preocupa policiais e professores! Acesse...

07/07/2019
Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Economia | A notícia de que estados e municípios podem ser reincluídos na reforma da Previdência desagradou em cheio os servidores públicos desses setores, em particular policiais e professores. Quem deu o informe dessa reinclusão foi o ministro da Casa Civil — Onyx Lorenzoni, segundo matéria de O Globo (8). 

O Globo informa ainda que o ministro da Casa Civil quer reunir governadores na terça-feira, dia 9, para tratar do assunto. Articulação envolve também o presidente da Câmara Rodrigo Maia. Lorenzoni  disse que já tem 330 votos para aprovar a reforma, 22 a mais do necessário. Continua, após o anúncio.

Publicidade

Educação e segurança

O receio dos servidores públicos de estados e municípios de serem reincluídos na reforma é porque o texto-base aprovado na Comissão Especial da Câmara só traz prejuízos ao funcionalismo. Professores e policiais sentem calafrios ao saber que terão que trabalhar e contribuir à previdência por no mínimo 40 anos para obter aposentadoria integral. Imagine quatro décadas em sala de aula ou correndo atrás de bandidos... Continua, após o anúncio.

Pensionistas

Quem também está muito preocupado com a possibilidade de estados e municípios serem enquadrados na reforma de Bolsonaro são os pensionistas. Pelo que já foi aprovado na Comissão Especial, valor do benefício cai para apenas 60%. E, se uma viúva, por exemplo, tiver aposentadoria e pensão, ela terá que optar pelo valor maior e receberá apenas uma pequena parcela do outro benefício.

Alíquotas

O valor das alíquotas também sobe bastante para os servidores públicos. A contribuição pode chegar a 22% do salário. 

Postagens mais recentes:

Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.
Educadora diz que "é uma tristeza ver uma professora usar o nome de Deus para defender um presidente satânico e que "se não houver paralisação nacional e luta não haverá aumento de salário nenhum".
"Já falei mais de mil vezes: o que define o reajuste é o texto da lei 11.718, que continua totalmente em vigor. Além disso, o índice de 33,23% é baseado em portarias interministeriais do governo federal, algo que também já foi definido em 2021. O anúncio oficial por parte do MEC é só uma mera formalidade, não faz parte...