Abuso | Alunos são revistados nus em escolas! Acesse...

22/10/2019

Publicidade

Educação / No momento da revista, os alunos foram colocados no banheiro e tinham que tirar a roupa e abaixar cinco vezes, relatou uma aluna do Colégio Militar João Augusto Perillo, na cidade de Goiás-GO.

COMPARTILHE!

Imagem: aplicativo Canva
Imagem: aplicativo Canva

Sob a alegação de que alunos estariam envolvidos com tráfico de drogas, militares decidiram que os mesmos deveriam ser revistados nus no Colégio Militar João Augusto Perillo, na cidade de Goiás-GO. Uma garota relatou na sexta-feira 18 que ela e outros colegas foram submetidos a tamanho abuso e constrangimento. Informação está em matéria publicada no site da revista Carta Capital (22). Continua, após o anúncio.

"Tirar a roupa e abaixar cinco vezes"

A matéria da Carta Capital diz ainda que:

"A estudante ainda relatou que, no momento da revista, os alunos estavam acompanhados por uma policial no banheiro feminino e um policial no masculino. "A gente tinha que tirar a roupa e abaixar cinco vezes", descreveu."

"Os pais dos estudantes envolvidos na ação acionaram o Conselho Tutelar, que acionou o Ministério Público de Goiás para averiguar o caso. A atitude fez com que o Comando Geral da Polícia Militar estadual afastasse os dois policiais acusados de cometer o crime, além do diretor da escola em questão." Continua, após o anúncio.

"Em nota, o Governo de Goiás afirma que determinou 'a imediata instauração de procedimento administrativo, objetivando apurar os fatos relatados pelos alunos submetidos à busca pessoal.'"

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.