Saúde | Estresse da sala de aula pode afetar até desempenho sexual de educadores! Acesse...

15/09/2019

Educação | Segundo uma pesquisa divulgada pela BBC em novembro de 2018, "45% das pessoas acreditam que o estresse é a principal causa de problemas na cama." Estresse, de acordo com a terapeuta Ellen Brady, "causa ansiedade, sentimento que não combina com o sexo, que é um momento de prazer." Continua, após o anúncio.

Leia também:

Estresse e sala de aula no Brasil

O estresse — também segundo especialistas — é provocado por vários fatores, dentre eles o trabalho. No Brasil, a profissão de professor é uma das mais desgastantes, sobretudo para quem atua na educação básica, seja em escolas públicas ou privadas. 

Salas de aula superlotadas e sem conforto, jornada dupla e até tripla levam no geral os educadores a um estado de permanente tensão, o que lhes acarreta problemas físicos e psicológicos, como depressão e síndrome do pânico. Médicos são unânimes em concordar que isto pode acarretar distúrbios de ereção nos homens e dificuldades para alcançar o orgasmos nas mulheres.

Segundo pesquisa de dezembro de 2017 feita pela APEOESP — Sindicato do Ensino Oficial do Estado de São Paulo — 71% dos educadores ouvidos já deixaram de trabalhar em razão de problemas psicológicos e psiquiátricos.  Continua, após o anúncio.

Tal quadro — que não é exclusivo de São Paulo — afeta, sem dúvidas, o desempenho sexual dos docentes, embora isto não seja discutido mais abertamente pelos mesmos, inclusive nos consultórios médicos. "Principalmente os homens têm vergonha de falar. E muitos, incluindo também as mulheres, sequer se dão conta que o estresse da sala de aula é também responsável por eventuais ou permanentes dificuldades sexuais", diz a doutora Sílvia Castro, clínica geral.

Tratamento

Diante de qualquer desconforto sexual em homens ou mulheres, a melhor saída é procurar ajuda médica. Somente uma avaliação científica rigorosa pode ajudar na indicação de um melhor tratamento. Continua, após o anúncio.

Em relação aos professores, caso seja diagnosticado que o estresse da sala de aula está prejudicando a performance sexual, é aconselhado de imediato o uso de licenças médicas, pelo menos nos dias iniciais de qualquer tratamento.

A médio e longo prazos, o mais sensato é buscar diminuir o número de turmas, sobretudo daquelas maiores e mais desconfortáveis. Lamentavelmente, no Brasil, isto não é fácil de se fazer, pois se paga salários muito baixos aos docentes, o que os obriga a cumprir super jornadas para tentar sobreviver.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Leia também:

Montante é 12,32% a mais que o recebido no mesmo período de 2022. Levando-se em conta que o reajuste do magistério deste ano (14,95%) é 18,29% menor que o de 2022 (33,24%), nada justifica dizer que não há dinheiro para a correção salarial deste 2023.
Com o Fundeb, montante sobe para 5,8 bi, isto é, 1,2 bi a mais. Recurso é referente ao 3º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste mês de janeiro, maior 23,65% em relação ao mês período de 2022. Dados mostram que é possível cumprir reajuste do magistério deste 2023.
Não é pouco dinheiro. Só de salário, em 2022 foram R$ 260.717.886. Em 2023, parlamentares já tiveram 16,37% de aumento neste mês de janeiro e terão mais 6,12% em abril, o que elevará a conta ainda mais. Isto sem falar nas incontáveis outras regalias que têm. Confira tabela.