PLS 116/17 | Especialista propõe filmar aulas para avaliar desempenho de professores! Acesse...

29/07/2019

Educação | Em matéria da revista Nova Escola (25/07/2019), o escritor Daniel Barros faz referência ao PLS 116/2017 (que institui Avaliação de Desempenho para o funcionalismo) "reforça a necessidade de se criar requisitos claros para avaliar os professores." Dê sua opinião na enquete ao final da matéria. 

Barros — autor do livro País mal educado: Por que se aprende tão pouco nas escolas brasileiras? — defende que os docentes sejam avaliados por critérios diferentes dos previstos no referido PLS para os demais servidores. Ideia é filmar aulas para ver como cada professor se comporta no exercício concreto da profissão. Ver detalhes mais abaixo.

PLS 116/2017 institui Avaliação Anual de Desempenho para o funcionalismo de todo o país, acaba a estabilidade no serviço público e abre espaços para a demissão de servidores concursados e estáveis. Funcionários da União, estados e municípios dos três poderes serão atingidos. Os critérios de avaliação estão expostos no infográfico ao final da matéria. Continua, após o anúncio.

Filmar aulas

Para ele [Daniel Barros], a nova lei [PLS 116/2017] pode ser um bom instrumento para a Educação, mas desde que tenha cunho formativo e não punitivo. Barros cita como exemplo o caso do Chile. O país desenvolveu nos últimos anos um sistema de avaliação de professores mais formativo do que punitivo. Por ano, uma aula [de cada professor] é filmada e avaliada por uma comissão de especialistas em didática. Depois, a equipe se reúne com o professor para dar o feedback necessário, apontando o que ele está fazendo bem e o que precisa ser melhorado. "Essa avaliação não tem viés punitivo, menos de 1% dos professores são, eventualmente, punidos e demitidos, o que só acontece no caso de sucessivas avaliações negativas e resistência à adaptação da sua prática frente a evidências claras de que há problemas na capacidade de ensinar", afirma. (Revista Nova Escola, 25/07/2019).

E você? O que acha de tal proposta? Dê sua opinião na enquete logo abaixo do anúncio e infográfico a seguir.

Vote na enquete!

Mais recentes sobre educação:

Postagens mais recentes:

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.