Quase 11 milhões de jovens não estudam e nem trabalham no Brasil, diz IBGE!

28/12/2019

COMPARTILHE!

Publicidade

Educação / Grupo, de jovens de 15 a 29 anos, representa 23% da população do País nessa faixa etária. 

Presidente Bolsonaro e ministro da Educação Abraham Weintraub. Foto: Agência Brasil .
Presidente Bolsonaro e ministro da Educação Abraham Weintraub. Foto: Agência Brasil .

O número é estarrecedor. Segundo o IBGE, quase 11 milhões de jovens não estudam e nem trabalham no Brasil. Grupo, de jovens de 15 a 29 anos, representa 23% da população do País nessa faixa etária. Enquanto isso, o governo Bolsonaro e seu ministro da Educação atuam para cortar verbas das escolas da educação básica e universidades federais e extinguir direitos trabalhistas.

Barreiras

Além das políticas reacionárias do governo, outros fatores também contribuem para afastar os jovens das escolas e postos de trabalho. Segundo a analista da pesquisa do IBGE, Marina Águas, "afazeres domésticos e cuidados de pessoas estão entre as principais barreiras enfrentadas pelos jovens para continuar os estudos ou arrumar um trabalho remunerado. Essa questão atinge principalmente as mulheres, que são maioria nessa situação."

"E ainda existe todo o estigma do que é o afazer doméstico. Como ele não é valorado como trabalho, parece que a pessoa fica em casa sem fazer nada. Mas isso pode ser muito custoso para a vida dela", comenta, e completa: "Imagina: a pessoa tem que arrumar a casa, fazer comida para a família, botar a marmita do marido, cuidar dos filhos... Bota tudo isso no papel. Imagina o salário que ela precisaria ter para colocar outra pessoa fazendo as mesmas tarefas e, ainda, valer a pena ir para o mercado de trabalho".

COMPARTILHE!

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

No caso dos professores, o que vale é o que está na lei dos planos de cargos, salários e carreiras de estados, DF e municípios. Se a legislação diz que o descanso anual é de 45 dias ou até dois meses, o terço constitucional deve ser pago com base nesse tempo de férias. É o que podemos chamar de direito...
Diferenças dos últimos 5 (cinco) anos devem ser pagas com juros e correção monetária, determina o juiz em sua sentença. Valor chega a quase R$ 10 mil. Estado não pode mais recorrer. Professores de todo o País podem fazer a mesma reclamação.