Desmonte | Governo Bolsonaro promete eliminar 40% dos servidores públicos! Acesse...

04/06/2019
Dep Joice Hasselmann — líder do governo no Congresso. Paulo Guedes — ministro da Economia. E presidente Bolsonaro: desmonte do Estado. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil .
Dep Joice Hasselmann — líder do governo no Congresso. Paulo Guedes — ministro da Economia. E presidente Bolsonaro: desmonte do Estado. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil .

Eles querem acabar com o serviço público do país

ECONOMIA | Durante Audiência na Câmara ontem (4), o ministro Paulo Guedes prometeu eliminar 40% dos servidores públicos em 4 ou 5 anos. A saída encontrada por ele, Bolsonaro e governistas para isso é perversa e simples: não vão substituir quem se aposentar daqui para frente.

Desmonte

Ontem (4), em matéria da Folha de S.Paulo: 

"Guedes ressaltou que 40% dos funcionários públicos devem se aposentar nos próximos quatro ou cinco anos." Continua, após o anúncio.

"Por isso, a ideia da equipe econômica é travar os concursos públicos e evitar substituir os servidores que se aposentarem."

"Então, você não precisa demitir; não precisa fazer nada. Basta você desacelerar as entradas, que vai acontecer naturalmente; esse excesso [40%] vai embora sem custo, sem briga, sem demissão", comentou o ministro.

Sem os 40%, tudo vai piorar

Paulo Guedes e esse governo Bolsonaro precisam ser barrados. O Estado brasileiro não tem excesso de servidores públicos e sim carência, tal como atestam estudos de entidades sérias como o Dieese e sindicatos de servidores públicos de todo o país. 

Se o governo conseguir eliminar 40% do funcionalismo, as populações mais carentes que precisam do setor público ficarão muito prejudicadas, pois faltarão médicos, enfermeiros, professores e pessoal de apoio em todo o Brasil.

Postagens mais recentes:

Prefeitos e governadores querem empurrar a questão até próximo das eleições, quando dirão, também de forma descabida, que correção salarial estará proibida. Professores não devem iniciar o ano letivo para garantir o direito no máximo até fevereiro, aconselha especialista.
Professora Dorinha é presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e diz que não há lacuna para que o percentual de 33,23% não seja cumprido urgentemente, tal como reza a lei 11.738/2008. O Dever de Classe entrou em contato com a assessoria da parlamentar e obteve mais informações sobre as ações que poderão ser feitas.