Desmonte | Governo Bolsonaro promete eliminar 40% dos servidores públicos! Acesse...

04/06/2019
Dep Joice Hasselmann — líder do governo no Congresso. Paulo Guedes — ministro da Economia. E presidente Bolsonaro: desmonte do Estado. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil .
Dep Joice Hasselmann — líder do governo no Congresso. Paulo Guedes — ministro da Economia. E presidente Bolsonaro: desmonte do Estado. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil .

Eles querem acabar com o serviço público do país

ECONOMIA | Durante Audiência na Câmara ontem (4), o ministro Paulo Guedes prometeu eliminar 40% dos servidores públicos em 4 ou 5 anos. A saída encontrada por ele, Bolsonaro e governistas para isso é perversa e simples: não vão substituir quem se aposentar daqui para frente.

Desmonte

Ontem (4), em matéria da Folha de S.Paulo: 

"Guedes ressaltou que 40% dos funcionários públicos devem se aposentar nos próximos quatro ou cinco anos." Continua, após o anúncio.

"Por isso, a ideia da equipe econômica é travar os concursos públicos e evitar substituir os servidores que se aposentarem."

"Então, você não precisa demitir; não precisa fazer nada. Basta você desacelerar as entradas, que vai acontecer naturalmente; esse excesso [40%] vai embora sem custo, sem briga, sem demissão", comentou o ministro.

Sem os 40%, tudo vai piorar

Paulo Guedes e esse governo Bolsonaro precisam ser barrados. O Estado brasileiro não tem excesso de servidores públicos e sim carência, tal como atestam estudos de entidades sérias como o Dieese e sindicatos de servidores públicos de todo o país. 

Se o governo conseguir eliminar 40% do funcionalismo, as populações mais carentes que precisam do setor público ficarão muito prejudicadas, pois faltarão médicos, enfermeiros, professores e pessoal de apoio em todo o Brasil.

Postagens mais recentes:

1932. O mafioso Al Capone começa, em Atlanta, a cumprir uma sentença de onze anos de prisão por sonegação de impostos.

1979. Margaret Thatcher vence as eleições gerais do Reino Unido e torna-se a primeira mulher a ser primeira-ministra britânica.

No entendimento de José Professor Pachêco e Renato Coelho de Farias, a correção do piso deve ser pelo custo aluno executado, e não pelo custo aluno estimado. Deste modo, índice de 2024 é 4,70%, e não 3,62%. Nesta linha, valor nominal deste ano é R$ 4.633,44, em vez de R$ 4.580,57. Foi o que divulgamos aqui em matéria do Dever...