"Por favor, traga os médicos cubanos de volta, capitão", diz paranaense eleitora de Bolsonaro! Leia e compartilhe...

16/11/2018
Bolsonaro expulsa cubanos e cria o Programa Menos Médicos / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Bolsonaro expulsa cubanos e cria o Programa Menos Médicos / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

"Aqui em Ponta Grossa quase todo mundo votou nele. Eu mesma fiz campanha. Não esperava isso. Por favor, capitão, traga os médicos de Cuba de volta. Nós é que vamos sofrer. Por favor"

Política | Uma paranaense de Ponta Grossa — eleitora de Jair Bolsonaro — fez pelo Facebook um emocionado apelo ao presidente eleito para que ele traga de volta os médicos cubanos que decidiram deixar o País após serem ameaçados pelo capitão reformado do Exército. Com o anúncio da saída, muitos moradores da cidade dizem que não sabem agora o que irão fazer. Dos 80 médicos que atuam nas unidades de saúde do local, 60 eram cubanos do Mais Médicos, programa criado pela presidenta Dilma Rousseff (PT). Continua, após o anúncio.


O apelo

"Considero um erro do nosso capitão mandar os médicos de Cuba embora. Aqui na cidade tratam a gente muito bem e são eficientes no atendimento. Eles passam irmandade, ouvem a gente, conversam, tratam a gente como médicos de verdade (...) Por favor, capitão, traga os médicos de Cuba de volta. Nós é que vamos sofrer. Por favor." (Ver print completo ao final da matéria).

Ingratidão

Em Ponta Grossa, Bolsonaro obteve 74% dos votos válidos, o que deu o expressivo total de 137.776 sufrágios. Como recompensa aos seus milhares de eleitores da cidade, o capitão os deixa agora sem assistência médica. Continua, após o anúncio.

Um problemão

"Sem dúvida, este é o problema mais grave em todo o meu governo", reconheceu o prefeito Marcelo Rangel (PSDB). Rangel declarou ainda que o programa 'Menos Médicos' do presidente eleito afetará diretamente 240 mil pessoas no município.


Veja a postagem da paranaense

Leia também:

Arthur Lira — a pedido de Jair Bolsonaro — quer aprovar projeto ainda neste ano. Plano, na prática, acaba com o caráter de servidor público no País. Medida atinge atuais e futuros servidores, e retira estabilidade, ascensão na carreira e salários, ataca aposentadorias, e privatiza e terceiriza tudo, sobretudo saúde e educação. Somente alguns...
Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.