Para evitar perder mais assinantes, Folha deleta o fantoche e idiotizado Kataguiri

15/03/2017
Kim Kataguiri, líder do MBL, desolado ao ser deletado da Folha / Foto: Agência Brasil
Kim Kataguiri, líder do MBL, desolado ao ser deletado da Folha / Foto: Agência Brasil

A expulsão foi porque só dava mesmo era prejuízo. Suas posições fabricadas e ridículas, que ganharam antipatia até de velhos colaboradores do jornalão, desencantaram a família Frias 

Da Redação | Nos últimos dias, a Folha de S.Paulo dispensou dois dos seus colunistas. O primeiro foi Guilherme Boulos, líder do MTST e que dava uma espécie de coloração progressista e democrática ao jornalão. O segundo foi Kim Kataguiri, do MBL, jovem idiotizado e fantoche do fascismo ou semifascismo que tenta crescer no Brasil.

Boulos foi obrigado a sair por conta da opção de esquerda que fez na vida e que agride a moral da esmagadora maioria dos leitores reacionários e direitistas do jornalão.

Quanto a Kataguiri, segundo bastidores da própria Folha, a expulsão foi porque só dava mesmo era prejuízo. Suas posições fabricadas e ridículas, que ganharam antipatia até de velhos colaboradores do jornalão, desencantaram a família Frias. E, como ele mesmo (Kataguiri) disse em sua "coluna final", quase ninguém tinha estômago para ir além dos títulos de seus artigos. Em resumo: politicamente, um blefe. Retórica e economicamente, um fracasso.

Boulos sair da Folha já era esperado. O democratismo burguês tem limites muito limitados.

 Kataguiri ser expulso, marca só a decadência precoce dele mesmo, que aliás é sua vocação certa desde que foi artificialmente apresentado ao grande público. E indica também o receio da Folha de perder cada vez mais assinantes.

Leia também:

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.