Quem estimula máfia e milícias é criminoso. Não pode ser ministro! Leia e compartilhe...

16/04/2019

O cineasta José Padilha fez a mais contundente crítica a Sérgio Moro até agora

Justiça | Por essa o ministro Sérgio Moro certamente não esperava. O cineasta José Padilha — autor de Tropa de Elite e Tropa de Elite 2 — publicou um bombástico artigo na Folha de S.Paulo (16) e disse que o pacote anticrime de Moro fortalece as milícias, estimula a violência e é a favor da máfia. Ora, se o que Padilha diz é verdade, Sérgio Moro não passa de um criminoso tão nocivo ao país quanto os que seu projeto — no entendimento de seu ex-fã — impulsiona. Logo, não poderia ocupar um ministério, ainda mais o da Justiça.


Padilha humilha Moro

José Padilha não apenas faz a grave denúncia de que Moro age a favor da máfia e das milícias. O cineasta diz também que o ex-juiz perdeu sua independência e hoje é um empregado da família Bolsonaro:

"Sérgio Moro finge não saber o que é milícia porque perdeu sua independência e hoje trabalha para a família Bolsonaro. Flávio Bolsonaro não foi o senador mais votado em 74 das 76 seções eleitorais de Rio das Pedras por acaso..."

Rio das Pedras é conhecido como o reduto mais antigo da milícia carioca. Continua, após o anúncio.

José Padilha fecha seu artigo assim:

"Ora, no contexto brasileiro, é obvio que o pacote anticrime de Moro vai estimular a violência policial, o crescimento das milícias e sua influência política. Sergio Moro foi de "samurai ronin" a 'antiFalcone'. Seu pacote anticorrupção é, também, um pacote pró-máfia."

Giovanni Falcone foi um juiz italiano assassinado pela máfia.

Mais recentes:

Deixe de aterrorizar os brasileiros com suas ameaças. Aceite que a maioria do povo não o quer mais. Vá rezar, se benzer, tomar um banho de sal grosso no lombo. Peça perdão por seus crimes cometidos na presidência. O Brasil quer é Lula de novo", diz um dos trechos enviado pela docente.
Jair Bolsonaro sabe que as urnas são seguras e que as pesquisas refletem vitória de Lula no primeiro turno, tal também como acertaram em relação ao próprio atual presidente em 2018. Por isso, só resta ao capitão berrar, para tentar tumultuar o dia do pleito e ganhar no grito. Coisa de baderneiro desesperado", diz o cientista político, que faz...