Ministro tucano diz que denúncias contra ele é tentativa de entregar "carne nova" nas delações! Carne nova? Saiba mais...

12/03/2017 15:26

O correto seria o ministro admitir, por mais doloroso que seja, que inclusão de seu nome em rotineiras listas de corrupção é caso de carne podre nas delações 

Fotomontagem: Internet

Da Redação | Em tom de desespero, o tucano Aloysio Nunes, dublê de ministro das Relações Exteriores, declarou em matéria de ontem (11) no jornalão Estado de São Paulo que possível inclusão de seu nome no listão de propinas da Odebrecht é tentativa de entregar "carne nova" nas delações.

Bem humorados, internautas indagaram: "Carne nova? Onde? Como um velho conhecido em trambicagens tem coragem de falar que é novo em denúncias de corrupção?"

Sobre isso, postagem de hoje (12) da Folha diz textualmente:

"O ex-diretor da Odebrecht Carlos Armando Paschoal, conhecido como CAP, relatou em delação premiada o pagamento de R$ 500 mil por meio de caixa dois para a campanha ao Senado de Aloysio Nunes (PSDB), que tomou posse na semana passada como ministro de Relações Exteriores."

"O repasse, segundo o delator, ocorreu em 2010, quando o tucano se elegeu o senador mais votado da história de São Paulo, com mais de 11 milhões de votos, 30% do total."

"Segundo CAP, o pedido por dinheiro foi feito pelo próprio Aloysio e as entregas foram realizadas em duas ou três parcelas em hotéis na zona sul da capital paulista."

Assim, o correto seria o ministro admitir, por mais doloroso que seja, que inclusão de seu nome em rotineiras listas de corrupção é um caso de carne podre nas delações. Sem rodeios.

Leia também:

Eleições | A TV Bandeirantes realizou ontem (09) um debate com candidatos à presidência da república. O que deveria ter sido um confronto de ideias na verdade se tornou uma troca de figurinhas entre a maioria presente apoiadora do golpe que levou Michel Temer ao poder. Na prática, foi um debate fake, pois excluiu Lula — o candidato...