Manifestantes vão às ruas de Londres pela liberdade de Lula e contra o fascismo! Leia e compartilhe...

19/11/2018

Lula | A prisão política de Lula e os constantes ataques do Judiciário ao ex-presidente seguem motivando atos por sua liberdade tanto por aqui quanto em diversas parte do mundo. No sábado (17) foi a vez de os brasileiros que vivem em Londres, na Inglaterra, saírem às ruas em sua defesa e para repudiar o discurso de ódio e as propostas autoritárias de Jair Bolsonaro.

Com faixas, cartazes e cantos pela democracia, o ato foi organizado pelo Comitê Lula Livre do Reino Unido com o apoio do Stand Up to Fascism (UAF), movimento criado em 2003 e que luta contra o crescimento de ideais anti-imigratórios e conservadores e o discurso de ódio alimentado por políticos da extrema-direita.

Não à toa, todos eles vêm o cárcere de Lula como ataque irreparável às instituições democráticas do Brasil e a eleição de Jair Bolsonaro como prova da alarmante escalada radical de governos extremistas no mundo todo. "A solidariedade internacional será vital nos próximos anos para os brasileiros que vivem sob a aterrorizante perspectiva de um governo de apoio à ditadura no Brasil", comunicou o grupo Brazil Solidarity Initiative - outra iniciativa que nasce sob a proposta de manter a resistência contra o fascismo. Continua, após o anúncio.

Além da passeata, diversas outras manifestações têm ocorrido com regularidade no Reino Unido, sobretudo em jogos de futebol e eventos culturais. A Inglaterra é o terceiro país com maior número de brasileiros vivendo na Europa - atrás de Portugal e Espanha. Segundo estimativa do Ministério das Relações Exteriores, a comunidade no país ultrapassa a casa das 118 mil pessoas.

Da Agência PT

Leia também:

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.
Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.