Lenda | Educação financeira reduz endividamento, diz Banco Central! Leia e compartilhe...

14/05/2018 13:27

Imagem: depositphotos
Imagem: depositphotos

"Tudo no Brasil é para esfolar o trabalhador, desde os juros do cartão de crédito até as tarifas públicas. Não há como não se endividar", diz professora 

DA REDAÇÃO | Segundo matéria de hoje (14) da Agência Brasil: "A melhoria dos níveis de educação financeira leva a uma demanda e uso mais responsável do crédito, com menor risco de endividamento excessivo e, portanto, uma menor inadimplência. A avaliação foi feita pelo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn [foto que abre a matéria], hoje (14), em Brasília, durante a abertura da 5ª Semana Nacional de Educação Financeira."

"Esses efeitos contribuem para a redução do custo do crédito", disse Goldfajn, acrescentando que ao aumentar a propensão do cidadão a poupar, a educação financeira estimula o desenvolvimento econômico do país e para o bem-estar da população." (Continua, após o anúncio).

Lenda

Isto não passa de lenda e ideologia burguesa para convencer a maioria do povo a arrochar ainda mais seU já precário nível de vida para pagar contas extorsivas oriundas de uma política econômica que só favorece bancos e grandes empresas. "Tudo no Brasil é para esfolar o trabalhador, desde os juros do cartão de crédito até as tarifas públicas. Não há como não se endividar", diz a professora piauiense Sônia Aragão.

Na verdade, para acabar com o endividamento da população o correto é elevar os salários dos trabalhadores, criar mais empregos com carteira assinada e baixar os juros extorsivos praticados no País. Não existe educação financeira para quem ganha pouco ou é desempregado ou subempregado. E ninguém deve sacrificar o sustento de sua família para quitar sem poder dívidas junto a bancos ou grandes empresas. 

RELACIONADAS: