Bolsonaro gastou média de R$ 60 milhões com cartão do governo

07/01/2023

Registro é do ex-deputado Federal Alexandre Frota. Os gastos sigilosos do capitão aumentaram 108% durante a campanha eleitoral de 2022, em comparação com a média mensal do ano anterior. Brasileiros têm direito de saber com o que foi gasto tanto dinheiro.

Economia | O ex-deputado federal Alexandre Frota registrou em sua conta no Twitter (7) que o ex-presidente fracassado e derrotado Jair Bolsonaro "gastou em média por ano de cartão do Governo 60 milhões de reais". 

Segundo matéria da CUT (nov/2022):

"No período da campanha eleitoral, os gastos sigilosos no cartão corporativo do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), que disputou a reeleição e foi derrotado, aumentaram 108%, em comparação com a média mensal do ano anterior. Mas, o sigilo de 100 anos imposto pelo governo nos gastos com o cartão impedem os brasileiros de saberem no que o governo gasta tanto dinheiro público." 

Continua, após o anúncio

Enquanto o povo morria de Covid-19, perdia emprego e passava fome, Bolsonaro e sua família farreavam com dinheiro público. Foto/reprodução.
Enquanto o povo morria de Covid-19, perdia emprego e passava fome, Bolsonaro e sua família farreavam com dinheiro público. Foto/reprodução.

O tuíte de Alexandre Frota:

Quebra de sigilo

Espera-se que o presidente Lula (PT) divulgue em breve um relatório minucioso com os gastos milionários do capitão e sua família com cartões do governo. Os brasileiros têm o direito de saber com o que foi gasto tanto dinheiro.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para deixar uma pequena doação ao nosso site.

Cremos que você gosta de nossas publicações e quer nosso site sempre atualizado. Por isso, ajude com uma doação, pois temos vários custos a honrar todos os meses. Sem seu apoio, ficamos inviabilizados de dar sequência com regularidade ao nosso trabalho. Gratos, antecipadamente.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt 

Siga-nos!

Mais recentes sobre economia

Montante é 12,32% a mais que o recebido no mesmo período de 2022. Levando-se em conta que o reajuste do magistério deste ano (14,95%) é 18,29% menor que o de 2022 (33,24%), nada justifica dizer que não há dinheiro para a correção salarial deste 2023.
Com o Fundeb, montante sobe para 5,8 bi, isto é, 1,2 bi a mais. Recurso é referente ao 3º decêndio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste mês de janeiro, maior 23,65% em relação ao mês período de 2022. Dados mostram que é possível cumprir reajuste do magistério deste 2023.
Não é pouco dinheiro. Só de salário, em 2022 foram R$ 260.717.886. Em 2023, parlamentares já tiveram 16,37% de aumento neste mês de janeiro e terão mais 6,12% em abril, o que elevará a conta ainda mais. Isto sem falar nas incontáveis outras regalias que têm. Confira tabela.