Fim da aposentadoria: Estadão mostra que apenas 73 deputados estão totalmente a favor! Leia e compartilhe...

14/04/2019
Deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos maiores defensores da reforma da Previdência. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados.
Deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos maiores defensores da reforma da Previdência. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados.

Governo Bolsonaro precisa de 308 votos para acabar a aposentadoria dos trabalhadores

Economia | Placar na Câmara dos Deputados mostra que apenas 73 deputados são a favor do texto integral de reforma da Previdência apresentado pelo governo Bolsonaro. Kim Kataguiri (DEM-SP) é um deles. Levantamento foi feito pelo Estadão e está no site do jornal. Para aprovar o fim da aposentadoria dos trabalhadores, o Planalto precisa de 308 votos. Ou seja, o capitão e sua equipe econômica têm que correr atrás de mais 235 parlamentares se quiserem que o projeto passe sem mudanças. 


Totalmente contra

O Estadão também informa que 113 parlamentares são totalmente contra a medida, isto é, a rejeitam na íntegra. Erika Kokay (PT-DF) e Marcelo Freixo (PSOL-RJ) estão entre eles. E há os que são a favor da reforma — 118 — mas querem que o texto seja alterado, o que também não é bom para o governo.


Em cima do muro

O Estadão mostra ainda que 102 deputados estão em cima do muro e não quiseram se pronunciar sobre o projeto, dentre os quais a Professora Dayane Pimentel (PSL-BA) e Mauro Benevides Filho (PDT-CE).

Por fim, o jornal diz ainda que 107 parlamentares não foram encontrados para responder se apoiam ou não o fim da aposentadoria dos trabalhadores. Aécio Neves (PSDB-MG) está nessa lista.

Leia também:

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.