Dia 6 | STF decidirá sobre redução salarial na União, estados e municípios! Acesse...

04/06/2019

Mais arrocho e insegurança para os servidores

ECONOMIA / Dia 6 deste mês de maio (quinta-feira), o Supremo Tribunal Federal — STF — decidirá se a União, estados e municípios podem promover redução nos salários dos seus servidores. Medida drástica tem apoio e articulação do governo Bolsonaro.

Desculpas

Medida drástica — defendida e articulada pelo governo Bolsonaro — serviria para "equilibrar" as contas públicas em tempos de "crise", como ora o presidente, prefeitos e governadores alardeiam que estamos. Dados da Advocacia Geral da União (AGU) indicam que mais de R$ 80 bilhões serão economizados se os gestores cortarem os salários do funcionalismo. Continua, após o anúncio.

Articulação

Segundo site do jornal O Dia,  governo Bolsonaro vem costurando o apoio da maioria dos ministros ao corte salarial de funcionários públicos. "Governistas inclusive acreditam que o aval do STF já está encaminhado."

Origem

A redução nos salários dos servidores públicos está prevista na Lei de Responsabilidade FiscalLRF — relatada pela então deputada emedebista Rita Camata e sancionada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB

Em 2001, PT, PCdoB e PSB entraram com a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2.338 para barrar esse dispositivo prejudicial ao funcionalismo. É isto que o STF julgará no próximo dia 6. Caso prevaleça a articulação de Bolsonaro e o Supremo julgue pertinente a redução nos salários dos servidores, estes terão também suas jornadas de trabalho diminuídas.

Curta nossa página!

Publicidade

Postagens mais recentes:

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.