Culto repentino a Belchior reflete uma tendência surgida quando ele decidiu "se matar"

09/01/2021

Bel, como é agora carinhosamente chamado por antigos e novos fãs, ganhou mais público quando optou pelo anonimato e abandonou a carreira e os palcos.  

Publicidade

Foto/Reprodução.
Foto/Reprodução.

Cultura | Por *Landim Neto - Há um culto repentino a Belchior, algo que pode ser notado de forma mais nítida nas redes sociais. Meio que do nada, jovens cujos pais eram adolescentes quando o talentoso músico cearense apareceu — passaram a louvar o Bel, como carinhosamente o chamam, de forma muito apaixonada. Parecem até velhos fãs do autor de Paralelas e Coração Selvagem. A tietagem com o carismático ídolo e suas músicas é tamanha que "Sujeito de sorte", do LP Alucinação, 1976, virou uma espécie de hino contra a Covid-19, na virada de 2020. Continua, após o anúncio.

Esse crescimento na popularidade de Belchior, entretanto, não é algo comum na história de outros artistas famosos, pelo menos no Brasil. Grandes ídolos — como Cazuza, Raul Seixas ou Renato Russo — não despertaram interesse parecido após falecerem, embora, evidentemente, tenham continuado muito populares.

O crescimento da admiração por Belchior, parece-me, é uma tendência surgida de antes, de quando ele "decidiu se matar". Após o artista cearense abandonar de forma inusitada a carreira e os palcos e, na prática, 'morrer' enquanto presença de carne e osso para seus muitos fãs, por volta de 2007, o interesse por seu trabalho aumentou.

Por conta do misterioso sumiço, no You Tube seus vídeos 'bombaram'. A grande mídia passou a fazer todo tipo de especulação sobre seu desaparecimento. E os fãs se encarregaram de espalhar nas redes sociais verdadeiras lendas sobre sua volta. Volta que nunca ocorreria. Continua, após o anúncio.

Em 30 de abril de 2017, a imprensa nacional divulgou a morte real de Belchior em tom de suspense e um certo sensacionalismo. Isto fez a popularidade do brilhante compositor crescer ainda mais. A vigília na casa em Santa Cruz do Sul (RS), local onde faleceu, o velório em Sobral, sua terra natal, e o enterro em Fortaleza colocaram Belchior nas alturas.

O inusitado dessas "duas mortes" de Belchior talvez expliquem a intensificação do amor dos velhos fãs e a admiração repentina que milhares de novos seguidores agora demonstram ter por ele. Mas isto não é o mais relevante quando se fala do artista cearense. 

O mais relevante, como diz artigo do Caetano Veloso, publicado no Estadão no dia do óbito do artista: "Não é por acaso que Belchior é lembrado e louvado por gerações sucessivas. Suas canções não são das que morrem." Não são mesmo.

*Landim Neto é editor do Dever de Classe

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Educadores repudiam descontos de salários e querem que o Sinte-Pi promova ação prática e urgente para que a governadora Regina Sousa (PT) reponha imediatamente o dinheiro cortado dos professores. Docentes exigem também que lotação original seja mantida.
No capitalismo, guerras são negócios, fome é negócio, crianças e idosos são negócios, miséria é negócio, "beleza" e "feiúra" são negócios, violência física e moral são negócios, o corpo é negócio, pessoas são negócio. Tudo é negócio...
"A lei do piso se transformará em mais uma norma sem sentido real". "Decisão se estenderá a todos os entes — estaduais e municipais." Ministro "Xandão" chegou a conclusão inusitada após embarcar em "informações e tese distorcidas prestadas pelo Estado do Pará". Avaliação consta em nota assinada pelo experiente advogado Walmir Brelaz, do Sintepp/Pa....