Coordenador Pedagógico deve assumir a sala de aula quando o professor falta?

21/02/2022

Muitos defendem que o exercício da sala de aula é exclusivo do professor. Outros, no entanto, opinam que coordenador deve sim também assumir eventualmente a tarefa.

O tema é polêmico e divide opiniões. Imagem: arquivos Webnode.
O tema é polêmico e divide opiniões. Imagem: arquivos Webnode.

Polêmicas | Quem conhece o dia a dia de uma escola da educação básica sabe o transtorno que é quando um ou mais professores faltam ao trabalho. Os alunos ficam inquietos e é preciso uma medida urgente por parte da direção para solucionar o problema. O quê fazer, então, em casos como esse?

Há algumas saídas básicas, como juntar turmas, despachar os alunos ou deslocar o coordenador pedagógico para desenvolver uma atividade na sala de aula com os estudantes. 

As três ações geram algum tipo de polêmica. Em relação à terceira, as divergências são maiores, conforme veremos após o anúncio.

Primeiro, vote na enquete!

Tema divide opiniões

O DEVER DE CLASSE consultou alguns educadores sobre o assunto, tal como já havia feito em matéria semelhante de 2017. Eis alguns depoimentos colhidos através do Messenger:

"Sou totalmente contra coordenador substituir professor em sala de aula. São funções diferentes. Para suprir a ausência do professor, as escolas devem ter, por exemplo, um banco de tarefas da própria disciplina do faltoso para ser aplicado com os alunos pelo secretário ou outro funcionário da escola." Lídia, coordenadora, São Paulo. Continua, após o anúncio.

"Não vejo qualquer problema em um coordenador pedagógico assumir uma ou duas aulinhas quando um professor falta. Coordenadores são qualificados e podem perfeitamente desenvolver conteúdos de qualquer disciplina, ainda que não de forma minuciosa como um docente da área faz. É a melhor saída em casos de ausências na escola." Carlos Falcão, professor, Fortaleza.

"Tudo depende da situação. Não vejo problema em assumir sala de aula quando o professor falta. Já fiz isso muito bem. O que não pode é virar rotina." Lúcia, coordenadora, Rio de Janeiro.

"Acho que se o professor falta, o melhor é juntar turmas ou despachar os alunos, para evitar os tumultos. Na minha escola, quase não vejo a coordenadora. Pelo que conheço, ela nunca iria aceitar substituir professor. Mas quem aceita, não acho errado não." Sérgio, professor, Belo Horizonte.


Caso queira difundir seu próprio entendimento sobre o tema, deixe um comentário mais abaixo ou escreva um artigo para nossa Redação - E-mail: polemicas@deverdeclasse.org

COMPARTILHE!

Ajude com uma pequena doação. Temos custos a pagar todos os meses e, para manter nossas publicações, precisamos de seu apoio. Se não quiser ou não puder doar, continue a nos acessar do mesmo jeito. Gratos.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Você também pode gostar!

Mais recentes do site...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.