"Com a reforma, vou ter que trabalhar 11 anos a mais", diz professora! Assista e compartilhe...

21/02/2019
Foto: Dever de Classe
Foto: Dever de Classe

Reforma enviada oficialmente pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional revoltou a maioria dos trabalhadores, em particular os docentes. Vídeo ao final da matéria mostra a indignação de uma educadora.

Educação | A Reforma da Previdência enviada ontem (20) pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional causou indignação em muita gente, em particular nos professores. Mestres agora, caso a medida seja aprovada, terão mais tempo de sala de aula e só poderão requerer aposentadoria após completar idade mínima de 60 anos, homens e mulheres.

 A professora Albetiza Moreira, que atua nas redes municipal de Teresina e estadual do Piauí, fez as contas iniciais e diz que terá que trabalhar 11 anos a mais do previsto pela atual legislação. Pelo que ainda está em vigor, ela iria para casa daqui a quatro anos. A reforma, portanto, traz uma piora significativa no nível de vida dos educadores de todo o país.

Veja o vídeo!

Leia também:

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.
Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.