Desde que foi criado, será a primeira vez que Piso do Magistério poderá ter reajuste zero

26/12/2020 21:27

Gráfico elaborado pelo Dever de Classe mostra que foi no governo Dilma Rousseff (PT) que os professores tiveram os maiores aumentos.

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.
Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Educação | Em 25 de novembro passado o governo Bolsonaro publicou a Portaria Interministerial 03 e reduziu o custo-aluno do Fundeb deste ano de R$ 3.643,19 para R$ 3.349,56. Com isso, o reajuste de 5,89% do piso do magistério previsto para 2021 caiu para zero. 

Caso situação não seja revertida, será a primeira vez desde que o piso foi criado, no governo Lula (PT) em 2008, que os educadores ficarão sem atualização salarial. Após o anúncio, veja um gráfico com a evolução dos reajustes. Em 2011, 2012 e 2015, durante o governo Dilma Rousseff (PT), os docentes tiveram os maiores aumentos.

Observe o gráfico abaixo. Passe o mouse ou toque nas colunas para visualizar os percentuais (%) 2010: 7,86; 2011: 15,84; 2012: 22,22; 2013: 7,97; 2014:8,32; 2015: 13,01; 2016: 11,36; 2017: 7,64; 2018: 6,18; 2019: 4,17; 2020: 12,84; 2021 (?) - Para o próximo ano a previsão era de 5,89%. Mas a portaria do governo Bolsonaro zerou esse reajuste.