Urgente | Idade mínima maior para aposentadoria de servidores deve ser aprovada logo em 2018, diz Bolsonaro! Leia e compartilhe...

05/11/2018 18:50

Imagem: pixabay
Imagem: pixabay

Elevar idade mínima para aposentadoria de servidores públicos ajuda a melhorar a economia, diz Bolsonaro. Maioria dos trabalhadores brasileiros, no entanto, discorda da ideia do presidente eleito

Economia | Segundo matéria de hoje (5) da Folha de S.Paulo, o presidente eleito Jair Bolsonaro quer aprovar elevação da idade mínima para aposentadoria de servidores ainda em 2018. Atualmente no serviço público, homens podem se aposentar aos 60 anos e mulheres aos 55. Pela ideia do capitão reformado do exército, tais idades deveriam ser acrescidas num primeiro momento em mais um ano. Ou seja, homens passariam a se aposentar com no mínimo 61 anos e mulheres com no mínimo 56.  "Queremos dar um passo [logo em 2018], por menor que seja, mas dar um passo na reforma da Previdência, que é necessária", disse em entrevista concedida à TV Aparecida no último dia 1º. A conversa foi exibida na tarde desta segunda (5). (Continua, após o anúncio).

Ainda de acordo com a Folha de S.Paulo, Bolsonaro ratificou: "O grande passo no meu entender, neste ano [2018], se for possível, passar para 61 anos no serviço público para homem e 56 para mulher e majorar também um ano nas demais carreiras. Acredito que seja um bom começo para a gente entrar o ano que vem já tendo algo de concreto para nos ajudar na economia", disse.


Reação negativa

A maioria dos brasileiros discorda do aumento da idade mínima para aposentadoria. Desde 2017, Michel Temer tenta aprovar tal Reforma da Previdência e não consegue. "Quer dizer então que foi só passarem as eleições o Bolsonaro vem com essa mesma lenga lenga do Temer de que é preciso aumentar a idade para a aposentadoria dos trabalhadores? Estou decepcionada com o nosso capitão", diz a técnica em enfermagem Maria de Lourdes Barbosa. (Continua, após o anúncio).


Especialistas

No entender de especialistas contrários às propostas de Temer e Bolsonaro, o que quebra a Previdência é a sonegação fiscal por parte de grandes empresários e desvios de recursos da mesma. "O correto, portanto, seria combater as verdadeiras causas do déficit previdenciário, e não querer penalizar ainda mais a vida dos trabalhadores do País", opina o economista Afrânio Mesquita.

Leia também: