Sem sigilo | PSOL quer impedir que Bolsonaro receba visitas secretas no Palácio! Acesse...

30/08/2019
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil.
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil.

Política | Na última quarta-feira (28), a imprensa revelou que o governo de Jair Bolsonaro decretou sigilo de 5 anos sobre a lista de quem entra e sai dos Palácios da Alvorada e do Jaburu, residências oficiais tanto do presidente como do vice-presidente, General Hamilton Mourão. Continua, após o anúncio.

A resposta do PSOL a esta medida, que abala a já pouca transparência do governo federal, foi praticamente instantânea. O líder do partido na Câmara, Ivan Valente, protocolou na Câmara dos Deputados um requerimento de informações com uma longa sequência de perguntas sobre o método usado para tomar esta decisão de classificar os dados de quem visita o presidente como sigilosos.

No requerimento do PSOL, o argumento é simples: "não há nenhuma hipótese que justifique a referida restrição de acesso". A última vez que um presidente decretou este mesmo tipo de sigilo foi quando o ex-presidente Michel Temer foi flagrado em uma gravação do empresário Joesley Batista, da JBS. Como é fácil perceber, o sigilo é utilizado sempre que há algo comprometedor a ser escondido. Continua, após o anúncio.

A pergunta básica que escancara o casuísmo da decisão presidencial é a seguinte: se a agenda do presidente da República é pública, por que a lista de visitantes à residência oficial não é? O que o presidente tem a esconder?

Fonte: Site do PSOL

Postagens mais recentes:

Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...
Sobras de recursos devem ser pagas em forma de abono até o dia 31 deste mês. Devido ao aumento do percentual mínimo que deve ser gasto durante o ano com o magistério e ausência de reajuste salarial, estados, DF e municípios devem devolver dinheiro não utilizado aos educadores. Preencha os campos e veja o resultado em seguida.
Quem tem carga horária menor receberá menos, R$ 12.400. Benefícios desse tipo estão sendo anunciados e pagos em todo o Brasil e são obrigatórios, caso um prefeito ou governador não tenha gasto neste ano o percentual mínimo de 70% do Fundeb com a folha do magistério. Educadores de todas as localidades têm de cobrar do Conselho desse fundo e...
Prefeitos e governadores, principalmente os primeiros, anunciam ações radicalizadas neste mês de dezembro para tentar derrubar o reajuste de 31,3% previsto para o magistério. Em sentido contrário, isto é, em defesa desse aumento, categoria deve também partir para a ação.