Comissão aprova PL que prevê fim de professor temporário

23/11/2021

Relator do projeto estipulou um prazo para que medida seja cumprida.

No mínimo, 90% dos professores das escolas públicas deverão ser contratados em caráter efetivo. Imagem: aplicativo Canva.
No mínimo, 90% dos professores das escolas públicas deverão ser contratados em caráter efetivo. Imagem: aplicativo Canva.

Educação | O Projeto de Lei nº 5.717/2019 foi aprovado nesta terça-feira (23) na Comissão de Educação (CE) da Câmara. Medida prevê que no mínimo 90% dos professores das escolas públicas da Educação Básica sejam contratados em caráter efetivo, isto é, através de concurso público permanente.

5 anos

O autor da iniciativa é o deputado Sidney Leite (PSD-AM). O texto final aprovado, contudo, é do relator da proposta, parlamentar José Ricardo (PT-AM). Ricardo estipulou prazo máximo de 5 anos para que estados e municípios cumpram integralmente a medida. Na prática, é quase o fim dos contratos de professor temporário. Continua, após o anúncio.

Empecilho

Segundo o jurista Carlos S Falcão, consultado pelo Dever de Classe, o projeto tem um forte empecilho pela frente: a Pec 32, Reforma Administrativa proposta pelo presidente Jair Bolsonaro. "Essa Pec libera geral para contratação temporária e sem concurso público, principalmente na educação. Isto pode anular os efeitos da medida aprovada na Comissão da Câmara". Porém, proposta é um avanço, pois praticamente acaba com a precarização de professores nas escolas públicas", diz o especialista.


Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite para deixar também uma contribuição para o nosso site.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Chave para Pix

E-mail: pix@deverdeclasse.org - João R P Landim Nt

Siga-nos!

Mais recentes sobre educação...

Nota Técnica da CNTE esclarece que rateio de sobras é algo já pacificado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo necessário apenas que legislativos de estados e municípios digam através de leis próprias como a divisão de recursos previstos e não gastos deve ser feita. Professores membros de conselhos do Fundeb apontam o caminho a seguir para...