Fundeb: Câmara deve votar hoje PL que afeta diretamente os salários dos professores

10/12/2020

COMPARTILHE!

Publicidade

Parecer do relator era para ter sido discutido ontem, mas parlamentares acabaram reagendando para esta quinta-feira. Educação pública e seus profissionais estão num sério impasse.

Deputada Professora Dorinha (DEM-TO) é uma das autoras do PL que regulamenta o novo Fundeb. Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados.
Deputada Professora Dorinha (DEM-TO) é uma das autoras do PL que regulamenta o novo Fundeb. Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados.

Educação | O Projeto de Lei 4.372/2020 — que regulamenta o novo Fundeb — está marcado para votação hoje (10) no Plenário da Câmara dos Deputados. Proposta era para ter sido discutida ontem (9), mas foi reagendada para esta quinta-feira.

Tal PL afeta diretamente os profissionais do magistério da Educação Básica pública de estados e municípios, sobretudo quanto ao pagamento dos salários dos mesmos. Um sério impasse sobre isso está criado, conforme veremos após o anúncio.

Entenda

Segundo matéria no site da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE):

"O Fundeb permanente precisa ser regulamentado antes do recesso parlamentar, para que em 2021 a medida possa entrar em vigor e garanta o aumento gradual dos recursos da União para o Fundeb, que passará dos 10% atual para 23% até 2026, de forma progressiva, e 70% dos recursos para o pagamento do piso salarial para todos os profissionais da educação." Continua, após o anúncio.

Diz mais a CNTE:

"Caso isso não aconteça, a Emenda Constitucional (EC) nº 108 garante que a aplicação do Fundeb não tenha prejuízos até junho, porém os recursos repassados sofrerão impactos negativos para a educação porque o repasse será só dos atuais 10%.

O impasse

Mas há um novo problema em relação a isso tudo. O professor Heleno Araújo — presidente da CNTE — diz que o Relator desse PL na Câmara, deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), elaborou um Parecer desastroso para o futuro da educação pública e de seus profissionais, pois permite que o dinheiro do Fundo seja canalizado para escolas privadas e até para pagar quem não é da Educação.

Assim, se o PL não for aprovado antes do recesso parlamentar, o Fundeb estará garantido só até junho de 2021, e sem o aumento dos recursos já aprovado na Câmara e Senado e referido acima. Continua, após o anúncio.

No entanto, o dirigente da CNTE esclarece também que se o PL for aprovado com base no Parecer do deputado Rigoni, os prejuízos serão ainda maiores.

O que a CNTE defende é que o PL que regulamenta o novo Fundeb tenha como base a proposta apresentada pela deputada Professora Dorinha e já aprovada na Câmara e Senado.

Curta abaixo nossa página no Facebook para receber atualizações sobre o desfecho desta votação na Câmara.

COMPARTILHE!

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Benefício será depositado na conta de professores e todos os demais servidores da educação ainda neste mês de dezembro. Detalhe do anúncio mostra que não é só do Fundeb que há sobras de recursos, algo que deve ser observado pelo magistério de todo o Brasil.
Medidas visam adequar prefeitura de Teresina à Reforma da previdência criada pelo presidente Jair Bolsonaro, do qual o prefeito José Pessoa (MDB) é forte aliado. Direção do Sindserm-THE chama mobilização para Câmara Municipal, com o intuito de barrar as horrendas iniciativas.
Magistério de estados e municípios deve pressionar gestores sobre recursos, pois aprovação de lei sobre como proceder ao rateio encerra dia 31 deste mês, vez que dinheiro que sobrar deve ser devolvido em forma de abono ao magistério ainda neste ano. Vereadores e deputados estaduais devem ser acionados o quanto antes. O recesso parlamentar se...