Para 2019, custo aluno cresce 6,2% e MEC deve anunciar piso do magistério! Leia e compartilhe...

07/01/2019
Brasília - Trabalhadores em educação fazem manifestação em frente ao MEC / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Brasília - Trabalhadores em educação fazem manifestação em frente ao MEC / Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A previsão do Fundeb é de uma receita total para 2019 de R$ 156,3 bilhões. Não se entende por que o MEC ainda não anunciou de forma oficial o valor do piso 

Economia | Segundo a Confederação Nacional de Municípios (CNM), "foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria Interministerial 7/2018, com a estimativa da receita do FUNDEB para o exercício de 2019. A previsão é de uma receita total de R$ 156,3 bilhões."

A CNM informa também que: "Desse valor, R$ 143,4 bilhões correspondem ao total das contribuições de Estados, Distrito Federal e Municípios, e R$ 14,3 bilhões à complementação da União ao Fundo. São beneficiados com esses recursos federais os mesmos nove Estados dos últimos anos: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí."

Com isso, "o valor mínimo nacional por aluno/ano dos anos iniciais do ensino fundamental urbano foi estimado para 2019 em R$ 3.238,52, correspondendo a um aumento de 6,2% em relação ao estimado para 2018, que foi de R$ 3.048,73.", diz ainda essa Confederação.


Piso do Magistério

O MEC já deveria ter anunciado oficialmente o valor do reajuste do piso dos professores para este ano de 2019. Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação — CNTE — o valor estimado mínimo é de R$ 2.557,74. E o percentual de correção é 4,17%. 

Educadores já desconfiam que o governo Jair Bolsonaro quer ignorar esse direito do magistério. É preciso, portanto, ficar em estado de alerta quanto a isso.

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes sobre economia:

Professora diz que, mesmo com reajuste de 33,23%, não está fácil pagar gasolina a quase R$ 10,00 e gás de cozinha em torno de R$ 140,00. Educadora pede que o presidente faça alguma coisa para resolver o problema.
Dados da Secretaria do Tesouro Nacional e do Banco do Brasil mostram tendência de crescimento nas verbas do FPM e Fundeb, fenômeno que vem desde janeiro de 2021. Prefeitos e governadores podem perfeitamente, por exemplo, hornar reajustes salariais para o funcionalismo, em particular em relação ao índice de 33,23% do magistério.
Dinheiro é do FPM e vem com acréscimo de 26,16% em relação ao mesmo período de 2021. O acumulado do ano é de quase R$ 38 bilhões. Municípios não podem alegar falta de recursos para honrar compromissos, como por exemplo cumprir o reajuste dos professores.