CNTE mostra que Bolsonaro piorou ainda mais a parte da Reforma que trata dos professores! Leia e compartilhe...

21/02/2019 18:00

Pelo que explica a CNTE, dificilmente um professor ou professora conseguirá se aposentar com benefício integral no Brasil

Economia | A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação — CNTE — é a principal entidade representativa de profissionais do magistério no Brasil. Em Nota Técnica publicada hoje (21) em seu portal, órgão diz que o projeto de Reforma da Previdência enviado pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional piorou ainda mais a parte que trata dos professores, se comparado com a versão extraoficial divulgada antes pela imprensa.


Leia trechos da Nota Técnica:

"O presente documento se pauta no texto oficial encaminhado pelo Governo à Câmara dos Deputados, em 20.02.19, na forma da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 6/2019." 

"A regra de transição para os/as atuais professores/as do nível básico foi piorada, exigindo-se, por exemplo, no caso dos servidores públicos, a idade mínima de 60 anos (ambos os sexos) para se obter a integralidade dos proventos, aos que ingressaram até 31.12.2003. Para todos os demais, inclusive aqueles que ingressaram na data supracitada mas que não alcançarem 60 anos de idade, valerá a regra geral de 60% do total da média remuneratória, a partir dos 20 anos de contribuição, acrescido de 2% a cada ano adicional, podendo totalizar 100% da remuneração aos 40 anos de contribuição."

Ou seja, muito dificilmente uma professora ou professor conseguirá se aposentar com salário integral daqui para frente, caso a reforma seja aprovada. 

Leia também: