ECONOMIA | Temer e bando rasgam CLT e retroagem Brasil à época da escravidão! Veja a cara de quem votou e e compartilhe...

12/07/2017 08:38

PT, PCdoB e PSOL estiveram na linha de frente em defesa dos direitos dos trabalhadores e da CLT. Na tropa de choque contra a classe trabalhadora, os principais foram PSDB, PMDB e DEM

Da Redação | O desgoverno Temer (PMDB), através do bando que o segue no Congresso Nacional, rasgou ontem (11) em sessão no Senado a CLT e retroagiu o Brasil à época da escravidão. Pelo que aprovaram, saem de cena a lei e os direitos trabalhistas e em troca entram umas tais "livres" negociações entre patrões e empregados, onde a maioria dos que trabalham ficarão amordaçados e de mãos e pés atados. 

Na votação, os três partidos que mais se empenharam para acabar com a CLT e pôr fim aos direitos dos trabalhadores foram o PSDB, PMDB e DEM. Entre os que ficaram a favor da classe trabalhadora, PT, PCdoB e PSOL estiveram na linha de frente.

A médio prazo, caso tal medida não seja revogada pelo povo nas ruas, o Brasil se tornará um país de mendigos ou, no máximo, de gente que trabalha apenas para comer, tal como na época das senzalas.

O objetivo é aumentar a taxa de lucros dos grandes empresários

O principal objetivo da medida é elevar a taxa de lucros dos grandes empresários. Ao contrário do que apregoam, tudo o que ganharem a mais com a perda de direitos dos trabalhadores será depositado nas contas particulares dos donos das empresas. E não na criação de mais empregos. Bandidos é o que são.

VOTAÇÃO

CONTRA OS TRABALHADORES:

Aécio Neves (PSDB-MG); Ana Amélia (PP-RS); Antonio Anastasia (PSDB-MG); Airton Sandoval (PMDB-SP); Armando Monteiro (PTB-PE); Ataídes Oliveira (PSDB-TO); Benedito de Lira (PP-AL); Cássio Cunha Lima (PSDB-PB); Cidinho Santos (PR-MT); Ciro Nogueira (PP-PI); Cristovam Buarque (PPS-DF); Dalirio Beber (PSDB-SC); Dário Berger (PMDB-SC); Davi Alcolumbre (DEM-AP); Edison Lobão (PMDB-MA); Eduardo Lopes (PRB-RJ); Elmano Férrer (PMDB-PI); Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE); Flexa Ribeiro (PSDB-PA); Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN); Gladson Cameli (PP-AC); Ivo Cassol (PP-RO); Jader Barbalho (PMDB-PA); João Alberto Souza (PMDB-MA); José Agripino (DEM-RN); José Maranhão (PMDB-PB); José Medeiros (PSD-MT); José Serra (PSDB-SP); Lasier Martins (PSD-RS); Magno Malta (PR-ES); Marta Suplicy (PMDB-SP); Omar Aziz (PSD-AM); Paulo Bauer (PSDB-SC); Raimundo Lira (PMDB-PB); Ricardo Ferraço (PSDB-ES); Roberto Muniz (PP-BA); Roberto Rocha (PSB-MA); Romero Jucá (PMDB-RR); Ronaldo Caiado (DEM-GO); Rose de Freitas (PMDB-ES); Sérgio Petecão (PSD-AC); Simone Tebet (PMDB-MS); Tasso Jereissati (PSDB-CE); Valdir Raupp (PMDB-RO); Vicentinho Alves (PR-TO); Waldemir Moka (PMDB-MS); Wellington Fagundes (PR-MT); Wilder Morais (PP-GO); Zeze Perrella (PMDB-MG)

CONTRA A REFORMA:

Alvaro Dias (Podemos-PR); Ângela Portela (PDT-RR); Antonio Carlos Valadares (PSB-SE); Eduardo Amorim (PSDB-SE); Eduardo Braga (PMDB-AM); Fátima Bezerra (PT-RN); Fernando Collor (PTC-AL); Gleisi Hoffmann (PT-PR); Humberto Costa (PT-PE); João Capiberibe (PSB-AP); Jorge Viana (PT-AC); José Pimentel (PT-CE); Kátia Abreu (PMDB-TO); Lídice da Mata (PSB-BA); Lindbergh Farias (PT-RJ); Otto Alencar (PSD-BA); Paulo Paim (PT-RS); Paulo Rocha (PT-PA); Pedro Chaves (PSC-MS); Randolfe Rodrigues (Rede-AP); Regina Sousa (PT-PI); Reguffe (Sem partido-DF); Renan Calheiros (PMDB-AL); Roberto Requião (PMDB-PR); Romário (Podemos-RJ); Telmário Mota (PTB-RR); Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | Segundo o portal congressoemfoco, "dos R$ 7,5 bilhões que o presidente Michel Temer (PMDB), via equipe econômica, descontingenciou do orçamento de 2017, R$ 593,4 milhões serão destinados ao pagamento de emendas parlamentares, dinheiro assegurado a deputados e senadores para que eles usem livremente em seus redutos [currais]...