Professores expõem receio de voltar às escolas antes da vacina contra Covid-19

08/01/2021

Docentes estão entre os profissionais mais vulneráveis ao coronavírus, visto que muitos já tem doenças adquiridas no exercício da profissão.

Publicidade

Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.
Imagem ilustrativa: aplicativo Canva.

Educação | Diariamente pelas sociais, milhares de professores manifestam receio de voltar às escolas antes de se vacinarem contra Covid-19. Movimentos espontâneos entre os educadores sugerem inclusive que o magistério esteja entre os grupos prioritários para vacinação. Continua, após o anúncio.

Depoimentos

Docentes utilizam suas contas pessoais, principalmente no Twitter e Facebook, para comentar sobre retorno às escolas. "Não há como voltar às aulas sem vacina contra a Covid-19. Os casos de contaminação só crescem. Ninguém pode brincar com isso", disse a pernambucana Cláudia C Macedo. 

Na mesma linha, o carioca Flávio N Cruz também opina: "Voltar às aulas presenciais antes da vacina contra o coronavírus é como pular de um edifício de dez andares e achar que vai chegar embaixo ileso".

São muitos os comentários como os dois acima reproduzidos. E os professores estão certos. Com saúde não se brica.

Curta abaixo nossa página no Facebook e receba em breve mais detalhes sobre este tema.

Faça uma pequena doação de um valor qualquer para que possamos continuar a manter este site aberto. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

Doar com PagSeguro

Curta nossa página e receba atualizações sobre este e outros temas!

Mais recentes...

Lei Complementar contra o magistério, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro em março deste ano, desconsiderou — para efeito de vários e importantes benefícios — quase dois anos de trabalho dos profissionais da educação, maio de 2020 a 31 de dezembro de 2021, fase crítica da pandemia de Covid-19. Na prática, é como se o magistério não tivesse...
Anúncios de pagamento devem se intensificar no mês de dezembro. Expectativa é que muitos estados e inúmeros municípios paguem o abono aos profissionais do magistério. CNTE luta para mudar critério de distribuição.
Objetivo é garantir ganho real para a categoria logo a partir de janeiro. Documento com outras importantes pautas dessa área foi entregue ao setor de educação da equipe de transição do futuro governo Lula.