Que argumento o médico dos EUA usou para convencer Dona Michelle Bolsonaro a se vacinar?

25/09/2021

Falta de patriotismo e descrença no SUS por parte da primeira dama? Momento de fraqueza? Vontade repentina de contrariar o mito, que é declaradamente contra o imunizante? Mistério.

Publicidade

Talvez nem o 'mito' saiba por que a esposa decidiu se vacinar. Foto: Agência Brasil.
Talvez nem o 'mito' saiba por que a esposa decidiu se vacinar. Foto: Agência Brasil.

Saúde | Causou uma certa surpresa o fato de Dona Michelle Bolsonaro tomar a vacina contra a Covid-19 nos EUA, após ouvir uma simples pergunta de um médico.

O que a teria motivado, uma vez que, como todos sabem, o 'mito' é contra o imunizante e não se vacinou?

Falta de patriotismo e descrença no SUS? Momento de fraqueza? Vontade repentina de contrariar o 'mito'? Mistério. Continua, após o anúncio.

Explicação

Segundo se noticiou na grande mídia, Dona MIchelle Bolsonaro justificou o fato com uma explicação simples. Disse que "ao se submeter ao teste PCR, necessário para embarcar de volta ao Brasil, o médico que a atendeu perguntou se ela não gostaria de aproveitar a oportunidade e tomar a vacina." Aí ela tomou.

Como assim? Uma simples pergunta foi capaz de convencer a mulher de Jair Bolsonaro a ir contra os conselhos que seu próprio marido dá a toda a Nação?

Esse médico é bom demais...

Compartilhe e curta abaixo nossa página no Twitter e Facebook, para receber atualizações sobre este tema. E aproveite também para fazer uma pequena doação ao nosso site.

Faça uma pequena doação de qualquer valor, para ajudar a cobrir os custos de manutenção do site. Caso não possa ou não queira colaborar, continue a nos acessar do mesmo jeito enquanto estivermos ativos. Gratos.

PIX - CPF 22629149315 - João Rosa Paes Landim Neto

Siga-nos!

Anúncio

Mais recentes sobre saúde

Segundo pesquisa da CNM, mais de 1,1 mil (60%) das prefeituras afirmaram que ocorreu o aumento no afastamento de servidores municipais por causa da doença. E 94% dos municípios pesquisados relatam crescimento de pessoas com sintomas gripais. Diante desse quadro, como fica o retorno às aulas presenciais?