É preciso enxugar regalias dos professores para equilibrar cofres de estados e municípios, diz governo federal! Leia e compartilhe...

26/06/2017 16:00

Foto: Internet
Foto: Internet

"Eles têm férias de 45 dias, aposentadoria especial, descanso pedagógico, piso nacional e até lanche grátis". Que outro trabalhador possui tantas regalias? É preciso enxugar tudo isso ou o país continuará quebrado", dizem burocratas do MEC

EDUCAÇÃO | Desde que assumiu ilegitimamente a presidência da república, Michel Temer mira seus canhões no setor público do país. Não à toa, sua principal medida até aqui é a edição da PEC 241, que limita os gastos nessa área por 20 anos. Isto traz impactos muito negativos para o funcionalismo da União, estados e municípios, que poderá ficar com salários congelados por duas décadas.

Nessa linha de ataques ao setor público, o governo federal começa a fazer dobradinha com prefeitos e governadores no sentido de atingir ainda mais negativamente o pessoal do magistério. Segundo técnicos do MEC, redes estaduais e municipais de educação são gigantes demais e consomem muito dinheiro de estados e municípios. "É preciso enxugar, pois 12 estados cogitam declarar calamidade financeira", alardeiam no site da Agência Brasil. 

Uma das principais saídas em discussão entre Temer e gestores de estados e municípios é o "enxugamento" de supostas regalias dos professores. "Eles têm férias de 45 dias, aposentadoria especial, descanso pedagógico, piso nacional e até lanche grátis". Que outro trabalhador possui tantas regalias? É preciso enxugar tudo isso ou o país continuará quebrado", dizem burocratas do MEC.

As representações dos educadores, no entanto, ponderam que o problema é outro. "Temer que enxugar o setor público para fazer caixa e manter com ainda mais privilégios meia dúzia de grandes empresários e banqueiros que financiaram o golpe de Estado no país", declara a professora Ana Beatriz, de Brasília.

Para combater mais arrocho, CUT e CNTE preparam uma greve geral em todo o Brasil. "Temer e aliados devem fazer enxugamento é nos lucros dos ricos que se acham donos do Brasil", alertam os sindicalistas.

Fonte: Mídia Popular

Compartilhe com seus amigos e curta nossa página, para receber atualizações sobre este e outros temas!

Relacionadas:

DA REDAÇÃO | Segundo postagem de hoje (16) da Folha de S.Paulo: "A inclusão de filosofia e sociologia como disciplinas obrigatórias no ensino médio em 2009 prejudicou a aprendizagem de matemática dos jovens brasileiros, principalmente os de baixa renda. A [inacreditável] conclusão é dos pesquisadores Thais Waideman Niquito e Adolfo Sachsida, em...

DA REDAÇÃO | Foi aprovado na última sexta-feira (23) na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei (PL 9.468/18). Medida obriga escolas públicas e privadas de todo o País a capacitarem seus professores e demais funcionários em noções básicas de primeiros socorros, ou seja, no atendimento de emergências e urgências médicas. (Dê sua opinião sobre este...

Deputado justifica medida sob a alegação de que muitas crianças chegam até mesmo a morrer nas escolas públicas e privadas do País, vítimas de engasgos e outros acidentes. Projeto não prevê qualquer incentivo financeiro extra para os profissionais do magistério em virtude da nova (e delicadíssima) tarefa e responsabilidade que agora terão também que...

DA REDAÇÃO | Segundo levantamento em portais de sindicatos de trabalhadores em educação de todo o País, a maioria dos prefeitos e governadores ainda não pagou o reajuste do piso do magistério em 2018. Este ano, a correção autorizada pelo MEC foi de 6,81%. E já deveria estar sendo paga desde janeiro, conforme reza a lei 11.738/2008. Todos...