MUITO "ATUANTE" | Em 26 anos, Bolsonaro apresentou apenas um projeto sobre Educação! Mas para ele mesmo se beneficiar... Saiba mais e compartilhe...

30/07/2017 15:03

Foto: Internet
Foto: Internet

DA REDAÇÃO | A Educação de qualquer país é sempre um tema que preocupa qualquer político minimamente sério, independentemente de cor partidária. Para os que sonham voos mais alto, em particular em cargos do Executivo, a questão deixa de ser meramente uma preocupação e passa a ser uma obrigatoriedade. Para o deputado Jair Messias Bolsonaro (PSC-Rio), contudo, a coisa não é bem assim. O aloprado homem que pensa em ser presidente da república, em 26 anos de mandatos, só apresentou um projeto nessa área. E, pasmem, para se beneficiar.

Segundo matéria do Estadão (23.07.2017), tão logo assumiu seu primeiro mandato, em 1991, Bolsonaro apresentou um projeto a fim de conceder desconto progressivo em taxas e mensalidades escolares para famílias de militares com mais de um filho. O "mito", como se sabe, é capitão da reserva, já tinha mais de um filho e agiu assim para agraciar apenas sua corporação. Seus fanáticos seguidores podem dizer que ele fez isso porque estava no início da carreira política. Mas por que então ele não apresentou mais nenhum outro projeto nessa área depois?

PUNIÇÃO ÀS MULHERES ESTUPRADAS

Além de apresentar apenas um único projeto para o setor da Educação em todos os seus mandatos, Bolsonaro também é autor de uma medida para punir mulheres que foram estupradas. O "mito", na área de saúde, quis transformar em lei a proibição do aborto em casos de estupro.

Na prática, Jair Bolsonaro, em todo esse tempão de político profissional. só aprovou dois projetos. Um que estendia o benefício de isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática e outro que autorizava o uso da chamada "pílula do câncer" - a fosfoetanolamina sintética. É mesmo muito atuante, o "mito dos descerebrados".

Com informações de: Estadão, 23.07.2017

LEIA TAMBÉM:

DA REDAÇÃO | Em entrevista à Folha de S.Paulo (22), o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) soltou algumas pérolas e disse quase de forma direta que os trabalhadores rejeitam Lula, aceitam perder direitos com as reformas e querem mesmo é um governo que dê mais proteção aos ricos. Meirelles, filiado ao PSD, é o principal assessor de Michel Temer...