Míriam Leitão diz que Temer é frouxo por não punir o general Mourão!

21/09/2017 15:30

DA REDAÇÃO | Nem a maioria dos partidos de esquerda foi tão incisiva nas críticas ao general Mourão quanto Míriam Leitão, do O Globo. Leitão diz hoje (21) em sua coluna que Michel Temer (PMDB) é um frouxo por não ter tido coragem de enquadrar Mourão, que defendeu nova ditadura militar no Brasil. A Global afirma inclusive que o general Villas Boas está também errado por apoiar seu colega de caserna.


Leia:

"A ausência de uma palavra firme do poder civil sobre as declarações do general Mourão mostra que o governo se acanhou. Michel Temer, enfraquecido, não tem coragem para enquadrar o militar. O general Antonio Hamilton Mourão falou em "impor" uma solução para o problema da corrupção se o Judiciário não o fizer. A interferência viria caso o país se encontre na "eminência do caos". O Brasil não pode ignorar esses sinais.

Nenhuma punição foi aplicada pelo governo civil. O comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, lembrou que a Constituição prevê que os militares podem intervir em momento de caos e quando convocados. Repetiu a posição de Mourão embora tenha usado outras palavras.

O governo de Temer, claramente, tem medo dos militares. Eles ficaram de fora da proposta de reforma da Previdência. O reajuste deles não foi adiado. A questão agora é mais grave. O assunto era dinheiro e passa a ser o governo do país. O poder civil não pode se acanhar diante dos militares.

O Brasil, com sua história, não pode deixar passar esse tipo de comportamento. O país viveu 21 anos de ditadura aberta. Militares censuravam a imprensa, torturavam e matavam dentro dos quartéis. Ninguém jamais foi punido.

O risco de negar os erros do passado é repeti-los. A ideia salvacionista de que os militares chegarão para concertar a situação não se sustenta. O problema existe, mas são as instituições democráticas que vão resolvê-lo de forma definitiva, permanente. Não serão os militares. Sabemos que eles, quando entram, permanecem no poder e não resolvem o problema." 

LEIA TAMBÉM: