Festa! MEC diz que liberou quase R$ 1,3 bilhão para o piso dos professores! Dinheiro já está nas contas de estados e municípios

27/12/2016

Da Redação | Prefeitos e governadores estão rindo à toa. Segundo o jornalão Folha de S.Paulo (27/12), o governo federal antecipou R$ 1,25 bilhão apenas para pagamento do piso nacional dos professores. Dinheiro já é para estar na conta de estados e municípios desde segunda-feira (26/12), e o clima é de festa entre as autoridades governamentais. Ministro Mendonça Filho disse que quer ver todo mundo consumindo, para estimular a economia. A professora cearense Luzinete Alcântara, contudo, disse que "quer ver para crer" se isso é mesmo verdade.

Ministro Mendonça Filho e Temer em clima de euforia / Imagem: Agência Brasil
Ministro Mendonça Filho e Temer em clima de euforia / Imagem: Agência Brasil

Ainda de acordo com a Folha, essa verba bilionária só seria liberada em abril de 2017. Mas "o governo também alterou o cronograma do pagamento da complementação do piso nacional. Desde 2011, os valores eram pagos em parcela única em abril do ano seguinte. A partir de 2017, serão mensais. A estimativa é que os repasses somem R$ 1,29 bilhão no próximo ano".

Animado, o ministro Mendonça Filho declarou, também segundo a Folha: "Se o governo federal libera para a economia R$ 1,25 bilhão que seria liberado apenas em abril de 2017, esse dinheiro vai ser repassado para os Estados, que vão repassar para os municípios e professores, que vão garantir seus salários e gastar, circulando dinheiro na economia". 

Nove estados serão beneficiados com a liberação. Sete são da região Nordeste: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Os outros dois são da Norte: Amazonas e Pará. 

A professora cearense Luzinete Alcântara disse que espera ser beneficiada com esse dinheiro, embora afirme também que não acredita mais em governo nenhum. "Quero ver para crer! Piso salarial eles só pagam com greve", desabafou.

Conteúdo recomendado:

DA REDAÇÃO | Em entrevista à Folha de S.Paulo (22), o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) soltou algumas pérolas e disse quase de forma direta que os trabalhadores rejeitam Lula, aceitam perder direitos com as reformas e querem mesmo é um governo que dê mais proteção aos ricos. Meirelles, filiado ao PSD, é o principal assessor de Michel Temer...