Brasília: Reforma é para ser aprovada até março, mas professores ameaçam greve e dizem que não aceitam trabalhar até os 65 anos! Saiba mais...

03/01/2017 14:06

Da Redação | De acordo com o portal da Câmara, "o presidente da casa, deputado Rodrigo Maia, reafirmou na segunda-feira (2) que a reforma da Previdência enviada pelo governo (PEC 287/16) deverá ser aprovada até o final de março na Câmara e terá a votação concluída até junho no Senado. A proposta de emenda à Constituição foi aprovada pela CCJ em dezembro. Medida, caso seja mesmo consumada, traz enormes prejuízos à vida dos trabalhadores em geral, que na prática terão que trabalhar até à beira do cemitério.

HENRIQUE MEIRELLES E MICHEL TEMER: APOSENTADORIA AGORA SÓ COM IDADE MÍNIMA DE 65 ANOS / FOTO: AGÊNCIA BRASIL
HENRIQUE MEIRELLES E MICHEL TEMER: APOSENTADORIA AGORA SÓ COM IDADE MÍNIMA DE 65 ANOS / FOTO: AGÊNCIA BRASIL

Os professores, no entanto, não aceitam se enquadrar nas novas regras de morte criadas por Temer e sua equipe econômica. Em centenas de manifestações pelas redes sociais, os docentes alegam que aposentadoria somente com idade mínima de 65 anos é um castigo para quem exerce uma profissão tão desgastante como o exercício da sala de aula. (Dê também sua opinião na enquete abaixo).

A professora aposentada Sônia Aragão, de Fortaleza, diz que mesmo pelas regras atuais a profissão já é um martírio. "Longos anos na sala de aula me trouxeram calos nas cordas vocais, transtornos psicológicos e até problemas de coluna", declara.

Maria Fernanda Burlamaque, por sua vez, diz que não quer nem pensar em ficar até os 65 anos numa sala de aula. Hoje tenho 39 anos e já estou há 15 no magistério. "Quer dizer então que esse presidente desgraçado quer que eu fique mais 26 anos no colégio?", indaga com indignação.

O médico clínino geral Segisnando B Fonseca, de Brasília, diz que é uma maldade querer obrigar um professor a ficar até os 65 anos numa sala de aula. "Atendo diariamente vários educadores e, após dez anos de efetivo exercício de sala de aula, muitos deles já apresentam problemas de garganta, depressão, pressão alta e outros males. Eles não suportarão trabalhar além do que dizem as regras atuais de aposentadoria", opina.

Greve nacional

Dentre as medidas pensadas pelos professores para garantir a manutenção da aposentadoria especial está uma possível greve nacional da categoria no início do ano letivo deste 2017. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE já sinalizou com esta possibilidade em todo o país.

"Creio que somente com uma greve nacional forte de todos os professores do país a gente consegue derrubar essa reforma maldita do Temer, diz a docente Ana Carolina Barradas, de Porto Alegre.

COMO É E COMO TEMER QUER QUE FIQUE EM RELAÇÃO AOS PROFESSORES

  • Hoje, mulheres podem se aposentar com 25 anos de contribuição e 50 de idade. Homens, com 30 anos de contribuição e 55 de idade.
  • Pelas novas regras, independentemente do tempo de contribuição, homens e mulheres só poderão se aposentar com idade mínima de 65 anos de idade.
  • Homens com mais de 50 anos e mulheres com menos de 45 pagarão pedágio de 50% sobre o tempo que falta para se aposentarem. Por exemplo, se faltar 10 anos, paga mais 5, ou seja, sobe para 15 anos o tempo restante.
  • Aposentadoria integral só para quem contribuir por 49 anos.
Após longos anos em sala de aula, professores geralmente adquirem problemas de pressão alta, calos nas cordas vocais e depressão, dentre outros males
Após longos anos em sala de aula, professores geralmente adquirem problemas de pressão alta, calos nas cordas vocais e depressão, dentre outros males

Vote na enquete abaixo

Conteúdo recomendado:

DA REDAÇÃO | Em entrevista à Folha de S.Paulo (22), o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) soltou algumas pérolas e disse quase de forma direta que os trabalhadores rejeitam Lula, aceitam perder direitos com as reformas e querem mesmo é um governo que dê mais proteção aos ricos. Meirelles, filiado ao PSD, é o principal assessor de Michel Temer...