Alemanha | Inspirada, Dilma radiografa o golpe no Brasil e aponta os entulhos que ele gerou! Leia e compartilhe..

13/11/2017 19:52

DA REDAÇÃO | Em entrevista concedida hoje (13) à Deutsche Welle (DW), em Berlim, Alemanha, a presidenta Dilma Rousseff (PT), muito inspirada, fala sobre o golpe que ela e o povo brasileiro sofreram e aponta os entulhos gerados por Temer (PMDB), Aécio (PSDB), MBL & Cia.


Veja alguns trechos:

Sobre o golpe

DW Brasil: Como a senhora avalia a situação em que o Brasil se encontra hoje?

Dilma Rousseff - O golpe que sofri tem três fases. A primeira e inaugural é meu impeachment. A segunda é esse estrago que eles estão provocando no Brasil, como a emenda que congela os gastos em saúde e educação. Ou a reforma trabalhista, num país que há pouco tempo saiu da escravidão, e esse processo de venda de patrimônio público. O terceiro momento do golpe é inviabilizar o Lula e, aí, vender o pré-sal.

Sobre "renovação" e os entulhos gerados pelo golpe

DW Brasil: A política brasileira não está precisando de renovação depois do impeachment? Não seria o momento de abrir espaço para novas lideranças, especialmente na esquerda?

Dilma Rousseff - [Dilma gargalha] Isso se chama "como tirar o Lula da parada". Tá entendendo?

Com o impeachment o PSDB acabou, sumiu. O que os conservadores conseguiram produzir? Produziram a extrema direita, o MBL [Movimento Brasil Livre] e o [Jair] Bolsonaro. E o que ainda é novo no Brasil? O gestor incompetente, tipo o Trump? O João Dória? Ou você deseja a política de animação de auditório como política social, que é o Luciano Huck? Isso é o novo?

Sabe o que eu acho que é o novo? Esse foi um pensamento que tive depois do caso do William Waack. Você sabe o que é coisa de preto? O PT é coisa de preto. O Lula é coisa de preto. Nós somos coisa de preto. Eu sou uma coisa de preto.

Golpistas, fascistas e paneleiros não vão dormir direito com essas.

LEIA TAMBÉM: