É preciso enxugar regalias dos professores para equilibrar cofres de estados e municípios, diz governo federal! Leia e compartilhe...

26/06/2017 16:00

Foto: Internet
Foto: Internet

"Eles têm férias de 45 dias, aposentadoria especial, descanso pedagógico, piso nacional e até lanche grátis". Que outro trabalhador possui tantas regalias? É preciso enxugar tudo isso ou o país continuará quebrado", dizem burocratas do MEC

EDUCAÇÃO ' Desde que assumiu ilegitimamente a presidência da república, Michel Temer mira seus canhões no setor público do país. Não à toa, sua principal medida até aqui é a edição da PEC 241, que limita os gastos nessa área por 20 anos. Isto traz impactos muito negativos para o funcionalismo da União, estados e municípios, que poderá ficar com salários congelados por duas décadas.

Nessa linha de ataques ao setor público, o governo federal começa a fazer dobradinha com prefeitos e governadores no sentido de atingir ainda mais negativamente o pessoal do magistério. Segundo técnicos do MEC, redes estaduais e municipais de educação são gigantes demais e consomem muito dinheiro de estados e municípios. "É preciso enxugar, pois 12 estados cogitam declarar calamidade financeira", alardeiam no site da Agência Brasil. 

Uma das principais saídas em discussão entre Temer e gestores de estados e municípios é o "enxugamento" de supostas regalias dos professores. "Eles têm férias de 45 dias, aposentadoria especial, descanso pedagógico, piso nacional e até lanche grátis". Que outro trabalhador possui tantas regalias? É preciso enxugar tudo isso ou o país continuará quebrado", dizem burocratas do MEC.

As representações dos educadores, no entanto, ponderam que o problema é outro. "Temer que enxugar o setor público para fazer caixa e manter com ainda mais privilégios meia dúzia de grandes empresários e banqueiros que financiaram o golpe de Estado no país", declara a professora Ana Beatriz, de Brasília.

Para combater mais arrocho, CUT e CNTE preparam uma greve geral em todo o Brasil. "Temer e aliados devem fazer enxugamento é nos lucros dos ricos que se acham donos do Brasil", alertam os sindicalistas.

Fonte: Mídia Popular

Relacionadas:

Da Redação | Em abril último passado, a Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou o relatório do deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) sobre o Projeto de Lei 2.286/2015, que propõe a Federalização da Educação Básica pública do país. O projeto seguiu para análise em caráter conclusivo nas Comissões de Finanças e Tributação (CFT) e,...

Da Redação | A lei federal 11.738/2008, que instituiu o piso nacional do magistério, determina também que da jornada semanal de trabalho 1/3 deve ser usado para atividades pedagógicas, isto é, fora da sala de aula. Por atividades pedagógicas compreende-se planejamento, elaboração e correção de provas, preenchimento de fichas etc. (Ver Tabela mais...

Da Redação | Michel Temer (PMDB), o ministro da Educação Mendonça Filho (DEM-PE) e um bando de outros golpistas na Câmara e Senado não fazem outra coisa a não ser atacar os poucos direitos dos trabalhadores, em particular dos professores da Educação Básica de estados e municípios. Além de propor com a reforma da previdência acabar a aposentadoria...

Da Redação | A mesma lei (11.738/2008) que instituiu o Piso Nacional do Magistério estabelece também que na Educação Básica Pública de estados e municípios os professores têm direito a 1/3 de suas jornadas semanais para atividades pedagógicas fora da sala de aula, o que pode inclusive ser cumprido fora do ambiente escolar. É o que se convenciona...