É preciso enxugar regalias dos políticos para equilibrar cofres da União, estados e municípios, respondem professores! Leia e compartilhe...

28/06/2017 09:28

Fotomontagem: Internet
Fotomontagem: Internet

ECONOMIA | Em resposta aos ataques que o desgoverno Temer (PMDB), o ministro Mendonça Filho (DEM-PE) e seus aliados no Congresso Nacional vêm fazendo à Educação pública, em particular aos professores, os mestres querem enxugar todas as regalias dos políticos como forma de equilibrar as contas do país. A maioria dos gestores veem alguns poucos direitos dos docentes como regalias. Os educadores querem acabar então com as regalias dos políticos, estas sim, regalias de verdade, conforme se verá ao final da matéria.

Veja primeiro algumas conquistas dos professores que Temer, Mendonça Filho & Cia querem enxugar: 

  • Piso Nacional do Magistério. Projeto de Lei do Senado (PLS 409/2016), de autoria do senador Dalírio Beber (PSDB-SC), autoriza prefeitos e governadores a ignorar a Lei (11.738/2008) e a não reajustar o piso dos educadores pelo mesmo índice do custo-aluno, como reza essa legislação. Dalírio Beber é forte aliado de Temer no Senado.
  • Aposentadoria Especial. Pela proposta de reforma da previdência, acaba. Docentes perdem então o direito de se aposentar 5 anos antes da maioria dos trabalhadores. Pela mesmo proposta, no entanto, deputados e senadores mantêm a aposentadoria especial a que hoje têm acesso.
  • Estabilidade. Pelo Projeto de Lei do Senado (PLS nº 116/2017), a estabilidade fica condicionada a uma esdrúxula avaliação de desempenho a cada seis meses, sob o comando do chefe imediato. Medida atinge a todo o funcionalismo do país, dos três poderes. Medida é de autoria da senadora governista Maria do Carmo Alves, DEM-SE.
  • Planos de Carreira, Horário Pedagógico, Férias de 45 dias, acesso à merenda escolas etc. Tudo isso tende a ser "enxugado" ou congelado pelos efeitos da PEC 55, que proíbe investimentos em todo o setor público por vinte anos.

Agora as regalias dos políticos que devem ser enxugadas

Segundo o Portal Congresso em Foco, apenas os deputados federais e os senadores custam mais de 1 bilhão de reais por ano aos cofres públicos. E o dado é de 2014, ou seja, hoje é muito mais.

Salários elevadíssimos

Deputados e senadores ganham quase R$ 34 mil mais Cota Parlamentar. Ministros e presidente da república ganham mais de R$ 30 mil mais gordo cartão corporativo. A proposta é enxugar esses valores para o Piso do Magistério, que em 2017 é de R$ 2.298,80. O Cartão Corporativo e a Cota Parlamentar devem ser substituídos pelo cartão mais alto do Bolsa-Família.

Todo tipo de auxílios

Além dos altos salários, parlamentares em Brasília, presidente da república e ministros têm direito a auxílio-moradia, plano top de saúde para si e familiares, alimentação, avião, carro com motorista, telefone fixo, celular, segurança & Cia. A proposta é enxugar essas regalias e trocá-las por programas de governo, como por exemplo o Minha Casa Minha Vida e SUS. 

Inúmeros "Aspones"

Além de regalias materiais mil, políticos têm ao seu dispor inúmeros assessores pagos com o dinheiro público. Muitos são "Aspones", isto é, "assessores de porra nenhuma" e parentes ou amigos dos "representantes do povo". Os que não são efetivos geralmente ganham mais. A proposta é enxugar e deixar nos gabinetes apenas servidores concursados.