SUS | Professores serão avaliados por médicos, psicólogos e assistentes sociais!

20/08/2017 06:23

Os professores de todo o País precisam é de políticas que possibilitem diminuir a cansativa jornada que levam e melhorar seus salários. Tudo o mais é paliativo

DA REDAÇÃO | A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou, no início deste mês de agosto, projeto (PL-2776/2011), que institui a Política Nacional de Saúde Vocal. O objetivo é garantir, no Sistema Único de Saúde (SUS), a oferta de ações de prevenção e de assistência ligadas à saúde dos profissionais que trabalham com o uso da voz, como os professores.

O texto prevê a avaliação anual desses profissionais por médicos otorrinolaringologistas, psicólogos, fonoaudiólogos e assistentes sociais. Também serão oferecidos programas periódicos de capacitação e treinamento para o uso adequado da voz, além de ações de reabilitação dos profissionais acometidos por lesões vocais ou laríngeas.


Leia também:

Doenças variadas

O exercício da sala de aula, sobretudo em jornadas duplas e muitas vezes triplas, levadas pelos professores de todo o País, acarreta não apenas lesões vocais ou laríngeas. Várias outras enfermidades acometem nossos mestres. Veja algumas delas:

Além dos problemas na garganta, como laringite, faringite, rouquidão, calos nas cordas vocais etc, aparecem também:

  • Distúrbios osteomoleculares, devido a ter que escrever rotineiramente no quadro.
  • Distúrbios mentais, como depressão, síndrome do pânico, estresse, nervosismo etc.
  • Problemas cardiólogicos, como arritmias e outros.
  • Pressão alta


Diminuir a jornada, melhorar o salário

De nada adianta aprovar projetos que visem reparar danos na saúde dos docentes se não forem criadas políticas públicas no sentido de evitar que apareçam ou pelo menos diminuam. Neste sentido, o tratamento mais adequado a todo educador é a redução da jornada em sala de aula e melhoria salarial. Enquanto os professores permanecerem ganhando pouco e trabalhando muito, doenças adquiridas ou agravadas devido ao exercício da profissão serão uma constante em suas vidas.

O projeto (PL-2776/2011)) tramita em caráter conclusivo e será examinado ainda pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. 

LEIA TAMBÉM: